correoslista de correosrecibe automaticamente las actualizaciones a tu correosiguenos en tuitersiguenos en facebook siguenos en youtube

enlaceZapatista

Palabra del Ejército Zapatista de Liberación Nacional

Abr272021

A ROTA DE IXCHEL

A ROTA DE IXCHEL

Abril de 2021.

Sairá a Montanha.

De uma das casas de Ixchel, a mãe do amor e da fertilidade, a avó das plantas e dos animais, a mãe jovem e a mãe velha, a raiva em que a dor da terra se transforma quando é ferida e maculada, a Montanha sairá.

Uma das lendas maias conta que Ixchel se estendeu pelo mundo na forma de um arco-íris. Ela o fez para dar ao planeta uma lição de pluralidade e inclusão, e para lembrar que a cor da terra não é uma, mas muitas, e que todas elas, sem deixar de ser o que são, juntas iluminam a maravilha da vida. E ela, Ixchel, a mulher arco-íris, abraça todas as cores e as faz parte dela.

Nas montanhas do sudeste mexicano, na língua raiz maia do mais antigo dos antigos, é contada uma das histórias de Ixchel, mãe-lua, mãe-amor, mãe-raiva, mãe-vida. Falando assim fala o velho Antonio:

“Do oriente veio a morte e a escravidão. Assim chegou, e de modo algum. Nada podemos mudar em relação ao que veio antes. Mas assim disse Ixchel:

“Que amanhã ao oriente navegue a vida e a liberdade na palavra dos meus ossos e sangues, minhas crias. Que não envie uma cor. Que não mande ninguém para que ninguém obedeça e que cada um seja o que ele é com alegria. Porque a tristeza e a dor vêm daqueles que querem espelhos e não cristais para olhar para todos os mundos que eu sou. Com raiva será necessário quebrar sete mil espelhos até que a dor seja aliviada. Muita morte terá que doer para que, no final, seja a vida o caminho. Que o arco-íris possa então coroar a casa de minhas crias, a montanha que é a terra dos meus sucessores”.

Quando a opressão veio em metal e fogo para o solo maia, o ts’ul, aquele que veio de longe, olhou para muitas figuras da deusa arco-íris e assim batizou aquela terra: Isla Mujeres.

Uma manhã, pela manhã, quando a cruz falante invoca, não o passado, mas o que está por vir, navegará a montanha até a terra do Ts’ul e atracará em frente à velha oliveira que dá sombra ao mar e identidade àqueles que vivem e trabalham nessas margens”.

-*-

Em 3 de maio do ano 21 do século 21, de Isla Mujeres, Quintana Roo, México, zarpará a Montanha para cruzar o Atlântico em uma viagem que tem muito de desafio e nada de reprovação. No sexto mês do calendário, terá que avistar as costas do porto de Vigo (Ciudad olívica), Pontevedra, na Comunidade Autônoma da Galiza, Estado espanhol.

-*-

Se não se pode desembarcar, seja por COVID, migração, discriminação gritante, chauvinismo, ou que erraram o porto ou os anfitriões, estamos preparados.

Estamos dispostos a aguardar lá e vamos desfraldar, frente à costa europeia, uma grande faixa que diz “Acorde!” Esperaremos para ver se alguém lê a mensagem e depois esperar para ver se de fato acordam; e depois esperar para ver se fazem alguma coisa.

Se a Europa de abaixo não quiser ou não puder, então, precavidos, de futuro, pegaremos 4 cayucos com seus respectivos remos e começaremos nosso caminho de volta. É claro que vamos adiar um pouco até termos um vislumbre das margens da casa de Ixchel novamente.

Os cayucos representam 4 etapas de nosso ser como Zapatistas que somos:

– Nossa cultura como um povo original com raízes maias. É o maior cayuco no qual os outros 3 podem ser armazenados. É uma homenagem a nossos antepassados.

– A etapa da clandestinidade e da insurgência. É o cayuco que segue o primeiro em tamanho, e é uma homenagem àqueles que caíram desde o primeiro de janeiro de 1994.

– A etapa da autonomia. É o terceiro em tamanho, do maior ao menor, e é uma homenagem aos nossos povos, regiões e zonas que, em resistência e rebeldia, elevaram e continuam elevando a autonomia zapatista.

– A etapa da infância zapatista. É o menor cayuco que os meninos e meninas zapatistas pintaram e decoraram com as figuras e cores que quiseram.

-*-

Mas se conseguirmos desembarcar e abraçar com nossas palavras aqueles que lutam, resistem e se rebelam lá, então haverá uma festa, baile, canções, e cumbias e caderas sacudirão os céus e solos distantes.

E, em ambos os lados do oceano, uma breve mensagem inundará todo o espectro eletromagnético, o ciberespaço e ecoará nos corações:

вторгнення почалося
bosqinchilik boshlandi
a invasión comezou
Die Invasion hat begonnen
istila başladı
la invasió ha iniciat
l’invasione hè principiata
invazija je započela
invaze začala
инвазията е започнала
invasionen er startet
invázia sa začala
invazija se je začela
la invado komenciĝis
the invasion has started
invasioon on alanud
inbasioa hasi da
hyökkäys on alkanut
l’invasion a commencé
mae’r goresgyniad wedi cychwyn
η εισβολή έχει ξεκινήσει
tá an t-ionradh tosaithe
innrásin er hafin
l’invasione è iniziata
بدأ الغزو
êriş dest pê kiriye
iebrukums ir sācies
prasidėjo invazija
d’Invasioun huet ugefaang
започна инвазијата
bdiet l-invażjoni
de invasie is begonnen
invasjonen har startet
حمله آغاز شده است
rozpoczęła się inwazja
a invasão começou
invazia a început
вторжение началось
инвазија је започела
invasionen har börjat

“A invasão começou”.
.-.. .- / .. -. …- .- … .. – -. / …. .- / .. -. .. -.-. .. .- -.. – (em código morse)

E talvez, apenas talvez, Ixchel, deusa da lua, seja então uma luminária em nosso caminho e, como neste amanhecer, luz e destino.

Dou fé.

Do Centro de Treinamento Marítimo-Terrestre Zapatista
Semillero da Comandanta Ramona. Zona Tzotz Choj.

O SupGaleano.
México, 26 de abril de 2021. Lua cheia.

Soundtrack del video: “Te Llevaré” Lisandro Meza.

Share

No hay comentarios »

No hay comentarios todavía.

RSS para comentarios de este artículo.

Deja un comentario

Notas Importantes: Este sitio web es de la Comisión Sexta del EZLN. Esta sección de Comentarios está reservada para los Adherentes Registrados y Simpatizantes de la Sexta Declaración de la Selva Lacandona. Cualquier otra comunicación deberá hacerse llegar por correo electrónico. Para evitar mensajes insultantes, spam, propaganda, ataques con virus, sus mensajes no se publican inmediatamente. Cualquier mensaje que contenga alguna de las categorías anteriores será borrado sin previo aviso. Tod@s aquellos que no estén de acuerdo con la Sexta o la Comisión Sexta del EZLN, tienen la libertad de escribir sus comentarios en contra en cualquier otro lugar del ciberespacio.


Archivo Histórico

1993     1994     1995     1996
1997     1998     1999
2000     2001     2002     2003
2004     2005     2006
2007     2008     2009     2010
2011     2012     2013
2014     2015     2016     2017
2018    2019   

Comunicados de las JBG Construyendo la autonomía Comunicados del CCRI-CG del EZLN Denuncias Actividades Caminando En el Mundo Red nacional contra la represión y por la solidaridad