correoslista de correosrecibe automáticamente las actualizaciones a tu correosíguenos en tuitersíguenos en facebook siguenos en youtubesíguenos en Vimeo

enlaceZapatista

Palabra del Ejército Zapatista de Liberación Nacional

Jun152021

O Passaporte Zapatista. (Até breve Portugal, aqui vamos nós Galiza).

O Passaporte Zapatista.

(Até breve Portugal, aqui vamos nós Galiza).

Junho de 2021.

Em 12 de junho de 2021, o chamado «Esquadrão 421», e demais passageiros e tripulação, receberam em seus passaportes o selo de entrada legal no chamado espaço ou zona Schengen e desembarcaram em Horta, Ilhas Açores, Portugal, Europa.  Sem perder a graça e a elegância (só estou dizendo), desembarcaram de La Montaña. Como deve ser, havia alegria, dança, fotos e muita comida.  Marijose se encontrou uma velha profecia que anunciava sua chegada. E se realizou uma corrida (só estou dizendo), tipo «o último a chegar à linha de chegada paga pela comida» (Diego Osorno perdeu).  Se brindou pela vida, é claro.

-*-

Às 09:17:45 do dia 14 de junho do ano em curso, La Montaña se desapartou do abraço português e tomou a direção nordeste a uma velocidade entre 6 e 7 nós.  Às 12:30:06 passou pela esquerda do «Pico Das Urzes».  Latitude: 38.805213; longitude: -28.343418.  O Capitão Ludwig calcula avistar a costa da Península Ibérica, entre 19 e 20 de junho (embora pudesse ser mais cedo, pois La Montaña, reconciliada com o vento, parece apressada para abraçar suas irmãs portuguesas e galegas). A partir dessa data em diante, se saudaram as elevações nas ilhas de San Martino, Monte Faro e Monte Agudo.  Logo se entrará na «Ría de Vigo». Se prevê chegar à Marina Punta Lagoa, ao norte do porto de Vigo, na Galiza, Estado Espanhol.

Então, em silêncio, chuva irmã será a montanha nossa, úmido se tornará nosso olhar, e assim diremos sem palavras:

«(…)
desperta do teu sono
fogar de Breogán.

 

Os bos e xenerosos
a nosa voz entenden
e con arroubo atenden
o noso ronco son,
mais sóo os iñorantes
e féridos e duros,
imbéciles e escuros
non nos entenden, non.*

 

Fragmento de «Os Pinos», Hino da Galiza. Pascual Veiga e Eduardo Pondal.

 

* «…acordados de seu sono / Lar de Breogán / Os bons e generosos / nossa voz entendam / e com devoção atendem / nosso rouco som / mas só os ignorantes / e débeis e duros, / imbecis e obscuros / não nos entendem, não«.

-*-

Agora me permita contar sobre a documentação zapatista que leva o Esquadrão 421 (que agora poderia acrescentar «marítimo» ao seu flamante nome).  @s companheir@s trazem um passaporte Zapatista. Quero dizer, além do passaporte oficial do México, eles possuem o chamado «passaporte zapatista de trabalho».  Aqui eu o descrevo:

Na capa ou frente principal: um caracol com uma estrela vermelha dentro. E escrito: «Passaporte zapatista de trabalho». Na capa traseira: uma estrela vermelha com um caracol dentro.

A primeira página se lê: «Este passaporte é outorgado pelas autoridades civis autônomas dos Municípios Autônomos Rebeldes Zapatistas e das Juntas de Bom Governo, Chiapas, México.  Só é válido durante o período estabelecido e no local descrito.  Este documento consta de 32 páginas e não é válido se apresenta deterioração, cortes, rasuras e emendas«.

Nas páginas 2 e 3 há espaços para: foto do titular, dados pessoais, dados da Junta do Bom Governo e MAREZ que expedem o documento. Trabalho a ser realizado. A data de emissão e o calendário e a geografia onde o trabalho será realizado. Lugar para o selo de MAREZ e das JBG.

Nas páginas 4 e 5 são apresentadas as 7 limitações a seguir:

 

«1.- O, oa ou a titular deste passaporte não pode nem deve pedir ou receber apoio em moeda ou espécie para seu próprio benefício ou de sua família, além daqueles estritamente necessários para cumprir o trabalho que lhe foi confiado.

2.- O titular deste passaporte só poderá fazer o trabalho que se especifica neste documento.

3.- O titular deste documento tem proibido o porte e uso de armas de fogo de qualquer tipo e não pode nem propor, nem sugerir, nem incentivar qualquer atividade que implique ou resulte no uso de armas de fogo no local onde realiza seu trabalho.

4.- A, oa ou o titular deste documento só pode contar nossa história de resistência e rebelião como povos indígenas e como zapatistas, após preparação e treinamento prévios.

5.- O, oa ou a titular deste documento não pode estabelecer acordos ou desacordos em nome das estruturas organizativas e/ou de comando político-militar com pessoas, grupos, coletivos, movimentos e organizações, além do estritamente necessário para o cumprimento do trabalho que lhe foi confiado.

6.- As opiniões pessoais sobre assuntos públicos e privados que expresse oa, o ou a titular deste documento não só não refletem as posições zapatistas, como também podem ser completamente contrárias ao nosso pensamento e prática.

7.- A, o ou oa titular deste documento deverá se conduzir a todo momento respeitando as diferenças de identidade, sexo, credo, língua, cultura e história do povo e dos lugares onde realiza o trabalho para o qual este documento é emitido.

 

A página 6 se estabelece: «Se acredita que a, oa ou o titular deste documento recebeu um curso de capacitação (se ele aprendeu ou não, será visto nos fatos) em__ (espaço para colocar o nome do lugar)».

E a página 7 indica as datas de partida e chegada: «A, oa ou o titular deste documento deixou o território zapatista __ (espaço para detalhes e carimbos em meia página).  Na metade inferior da página: «A, oa ou o titular deste documento retornou ao território zapatista: ___ (espaço para detalhes e carimbos)».

As páginas seguintes estão em branco, para que as diferentes pessoas, grupos, coletivos, organizações e movimentos, dos diferentes cantos dos mundos diferentes que visitem, carimbem, assinem, decorem, risquem, coloquem desenhos, arranhem ou o que quer que seja, para que o, a, ou oa compa possa ter uma espécie de guia de onde estava, além das anotações em seu caderno, para quando retorne e fale sobre como foi.

A última página é para «Observações:» (por exemplo, quaisquer alergias, incapacidades ou gostos musicais – digo, porque se você gosta de cumbia e eles fazem você dançar uma valsa, bem, você pode imaginar -).

 

Dou fé.

SupGaleano.

Planeta Terra, junho de 2021.

 

Música «El lago de los Cisnes» de Cesar Acuña Lecca e Los Pasteles Verdes / Versão do sonidero: Heriberto Destructor

Share

No hay comentarios »

No hay comentarios todavía.

RSS para comentarios de este artículo.

Deja un comentario

Notas Importantes: Este sitio web es de la Comisión Sexta del EZLN. Esta sección de Comentarios está reservada para los Adherentes Registrados y Simpatizantes de la Sexta Declaración de la Selva Lacandona. Cualquier otra comunicación deberá hacerse llegar por correo electrónico. Para evitar mensajes insultantes, spam, propaganda, ataques con virus, sus mensajes no se publican inmediatamente. Cualquier mensaje que contenga alguna de las categorías anteriores será borrado sin previo aviso. Tod@s aquellos que no estén de acuerdo con la Sexta o la Comisión Sexta del EZLN, tienen la libertad de escribir sus comentarios en contra en cualquier otro lugar del ciberespacio.


Archivo Histórico

1993     1994     1995     1996
1997     1998     1999
2000     2001     2002     2003
2004     2005     2006
2007     2008     2009     2010
2011     2012     2013
2014     2015     2016     2017
2018    2019   

Comunicados de las JBG Construyendo la autonomía Comunicados del CCRI-CG del EZLN Denuncias Actividades Caminando En el Mundo Red nacional contra la represión y por la solidaridad